quarta-feira

PISTOLEIRO PARAIBANO É PRESO E CONFESSA TER SIDO CONTRATADO POR FACÇÃO PARA MATAR EM FORTALEZA



Policiais militares do Batalhão de Policia de Choque (BPChoque) capturaram em Fortaleza, nesta segunda-feira (15), um pistoleiro paraibano que havia sido contratado por uma facção local para matar desafetos da organização criminosa. Em menos de uma semana de sua estada na Capital cearense, o bandido matou um homem e já planejava outros assassinatos para os próximos dias.

O pistoleiro foi identificado como José Heverton Alves, natural de João Pessoa (PB). Segundo ele, na manhã do último 9 (terça-feira), praticou o primeiro crime em Fortaleza, quando perseguiu e executou com vários tiros de pistola um homem identificado por Fernando Cipriano Júnior, o “Vampirinho”. O crime ocorreu na calçada de uma residência na Rua Raquel Holanda, no bairro Monte Castelo, zona Oeste da cidade. O crime teria sido “encomendado” pela facção.

O suspeito foi detido por uma patrulha do Comando Tático Motorizado (Cotam), sob o comando do sargento Silva, na Avenida Osório de Paiva, no bairro Siqueira (zona Sul da Capital). Os policiais da viatura CT-40841 faziam patrulhamento naquele setor da cidade quando se depararam com um carro com placas clonadas.

Ao perceber que seria abordado pela Polícia, o motorista tentou fugir, mas foi seguido e acabou detido com um veículo modelo Renault, prata, com as placas clonadas OSR-2173 (CE). No automóvel, a Polícia encontrou uma pistola, munições e telefones celulares, os apetrechos do crime.

Investigação

A Polícia também descobriu que o suspeito é ligado aos assaltos a bancos e carros-fortes na Paraíba e, possivelmente, também em Fortaleza.

Heverton chegou a declinar o nome de um comparsa no Ceará e que, provavelmente, foi o homem que o contratou para o “serviço sujo” em Fortaleza. Trata-se do seqüestrador, assaltante de bancos e carros-fortes, traficante de drogas e latrocida, Francisco Márcio Teixeira Perdigão, que, no ano passado, foi capturado numa operação de policiais civis da Delegacia de Repressão às Ações do Crime Organizado (Draco), no bairro Bom Jardim. Na ocasião, Márcio Perdigão estava armado com um fuzil AK-47, além de uma pistola.
Jornalista Fernando Ribeiro


EmoticonEmoticon