quinta-feira

CGD AFASTA E PROCESSA MAIS DE 40 PMS QUE MATARAM BANDIDOS DURANTE CONFRONTOS


Fato é denunciado pelo deputado Soldado Noelio (PROS) e a tropa se diz desestimulada.


Cerca de 40 policiais militares estão afastados das atividades de rua enquanto a Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos da Segurança Pública e do Sistema Penitenciário do Ceará (CGD) investiga a participação deles na morte de bandidos durante confrontos.

O fato tem causado polêmica e desestímulo na tropa, principalmente nas unidades que atuam diretamente no combate ao crime, como os batalhões de Rondas de Ações Intensivas e Ostensivas (Raio) e de Policiamento de Choque (CPChoque).

No começo da semana, oito policiais do Batalhão Raio da cidade de Aracati, no Litoral Leste do Estado (a 149Km de Fortaleza) foram afastados das ruas e estão sendo alvo de sindicância na CGD. O mesmo aconteceu com outros oito policiais destacados em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), que mataram um bandido durante uma troca de tiros no bairro Itambé, tendo um dos PMs ficado gravemente ferido, mas sobreviveu após vários dias hospitalizado.

Os oito militares do CPRaio de Caucaia agora correm o risco de serem expulsos da Corporação. Por determinação da CGD foi instaurando contra eles um Conselho de Disciplina, primeiro passo para a exclusão.

Denúncia

Nesta quarta-feira (24), o deputado estadual Soldado Noelio (PROS) declarou através das redes sociais que 14 policiais militares destacados em Quixeramobim, no Sertão Central (a 201Km de Fortaleza) também estão sendo alvos de uma investigação na CGD.

Com o aumento das ocorrências de confrontos policiais, bandidos que atiram contra as patrulhas, o número de policiais afastados das ruas e respondendo a procedimentos disciplinares também tem aumentado no Ceará.

“A informação extra-oficial que foi passada para nós é de que em todas as ocorrências que houver confronto, de alguém atirar no Raio, e o Raio atirar e o indivíduo morrer, será aberto processo e o policial afastado. Essa é a informação de dentro da CGD”, disse o deputado.

Noelio afirma, ainda, que, “nós estamos coma receita perfeita para quebrar o ciclo de proteção para a população”.

Números

Conforme dados publicados pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) em seu site, entre os meses de janeiro e junho deste ano, 84 pessoas foram mortas pelas forças policiais cearenses, casos denominados de mortes por intervenção policial, cujos números não são incluídos nas estatísticas anuais dos Crimes Violentos, Letais e Intencionais (CVLIs) apresentados pelo estado à sociedade, Imprensa e ao Ministério da Justiça e da Segurança Pública (MJSP) para fins de contabilidade no Mapa da Violência no Brasil.

Nos últimos sete anos, ainda de acordo com os dados publicados pela SSPDS, compreendendo de janeiro de 2013 a junho de 2019, 755 pessoas morreram no Ceará por conta de intervenção policial. Nesta estatística não estão incluídos cidadãos assassinados em ações desastrosas das forças da Segurança Pública (as polícias Civil e Militar).

CN7


EmoticonEmoticon