terça-feira

COMO ESTÁ O CASO DA EMPRESA ELETROMIL QUE ENGANOU MILHARES DE SOBRALENSES?



A empresa ELETROMIL, que tinha sua sede na cidade de Sobral, foi interditada pela Justiça no dia 11 de julho de 2013, deixando milhares de pessoas no prejuízo.

A empresa funcionava no mercado sobralense e região no ramo da "compra premiada".

A “compra premiada” consiste na compra e venda parcelada com entrega futura, em que o consumidor paga mensalmente valor fixo e, ao ser sorteado, recebe o produto e fica exonerado das parcelas futuras. O contrato tem como objeto a formação de um grupo de consumidores que visa à aquisição de um determinado produto (moto, geladeira, fogão, etc).

Com a decisão judicial, as empresas ficaram proibidas de realizar propagandas de seus negócios e firmar novos contratos com os consumidores. O descumprimento gerava multa de R$ 50 mil por contrato realizado. Foi decretada também a indisponibilidade de todos os bens e a quebra do sigilo fiscal e bancário das empresas e seus sócios. Eletrofácil e Eletromil têm unidades nos municípios de Sobral, Camocim, Itapipoca e Cruz.

Segundo a promotora de Justiça Juliana Cronemberguer de Negreiros Moura, coordenadora do Decon de Sobral na época, a “compra premiada” pode configurar crime contra a economia popular, por se tratar de pirâmide financeira, como já advertiu a Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Justiça, ao analisar situação semelhante nos estados do Maranhão e Pará. “O Decon/Ce já tinha, administrativamente, mandado fechar essas empresas”, acrescenta. Ela ressaltou que o Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Decon) fez um levantamento de todas as empresas que realizam “compra premiada” no Ceará. Em seguida, foi marcada uma audiência para discutir quais medidas serão tomadas.

Sobral 24 horas


EmoticonEmoticon